As 3 Estórias mais misteriosas de Braga!

we-braga-avenida-liberdade

Dois milénios de história tornam Braga uma das cidades mais antigas de Portugal.

Fundada como Bracara Augusta, no tempo dos romanos, ao longo destes tempos, muitas são as estórias, lendas e mitos criados em volta da cidade que ainda hoje despertam a curiosidade de muitos.

we-braga-rua-do-souto-igreja-dos-congregados

1.    A história dos Galos Casamenteiros

Quem passa pelo Largo de Sta Cruz depara-se diariamente com pessoas paradas, nariz virado para o ar, em frente à fachada da Igreja de Santa Cruz. Contudo, o que poderia parecer um comportamento pouco normal e até perigoso face aos nossos amigos voadores, tem uma explicação bem simples e romântica.

Segundo reza a história, existem três galos na fachada barroca da igreja e a “moça casadoira” que os encontrar, tem casamento assegurado em breve.

Contudo, não se pense que a tarefa é assim tão fácil. Se os dois primeiros galos são “canja”, a descoberta do terceiro é um quebra-cabeças “Einsteiniano”. O processo pode ser moroso e até frustrante.  Mas essa dificuldade não é vista como um fator dissuasor mas antes um requisito que antecede o matrimónio.

we-braga-igreja-santa-cruz-largo-carlos-amarante

2.    São Longuinho de Braga

As histórias e tradições que têm em comum a figura de São Longuinho são muito variadas.

Alguns referem que São Longuinho foi um dos soldados que presenciou a crucificação de Jesus Cristo e que, perante esse episódio, se decidiu converter. Na tradição popular, (ao ponto de já ter merecido um sketch do grupo humorístico brasileiro Porta dos fundos) o S. Longuinho é invocado aquando da necessidade de auxilio na procura por objetos perdidos. Para a cidade de Braga, a estória “que nos traz cá hoje” é outra.

2.1. A Lenda

Segundo reza a lenda, Longuinhos, um lavrador abastado e com grande reputação, residia nas redondezas da cidade de Braga. Quando passava cavalgando, fazia com que todos o olhassem, intimidando os homens e apaixonando as mulheres, principalmente as jovens donzelas à procura de um excelente partido.

Apesar de toda a atenção, nenhuma lhe despertava particular interesse até ao dia em que conheceu Rosinha, uma bonita donzela filha de Pedro, um lavrador materialista. Perdido de amores, Longuinhos, não teve meias medidas e decidiu pedir a jovem em casamento, na esperança de viver um casamento eterno e feliz.

Porém, o coração de Rosinha já pertencia a outro rapaz, Artur, que diante do altar do Bom Jesus, lhe havia prometido casamento.

Com receio de perder o bom negócio, o Pai de Rosinha, rude e sem escrúpulos, arranjou forma de aterrorizar a filha, de tal forma que esta acabou por ceder.

Durante noite e dia, sempre muito chorosa, Rosinha orava e apelava no seu quarto a São João: “Oh meu bom, meu querido, S. João, salva-me, por favor! Faz um dos teus milagres! Ficar-te-ei eternamente grata!”.

Muitos dias de choro, orações e penar, Rosinha ouviu uma voz que lhe disse: “Eu conseguirei que não faltes ao juramento que fizeste”. Ao mesmo tempo, a mesma voz terá sussurrado a Longuinhos apelando à sua compaixão pela felicidade de Rosinha.

Longuinhos acedeu e disse a S. João que se Rosinha amava outro jovem, ele não tinha o direito de destruir a felicidade do casal. Além disso acrescentou: “Se me consentes, São João, eu próprio serei o padrinho desse casamento! Sei que precisam de um bom começo de vida e eu encarregar-me-ei disso. Quanto ao meu amor, cá o entreterei até que se desvaneça”.

De imediato, o Santo avisou Rosinha que estava na hora de começar a preparar a sua boda com Artur, pois padrinho já tinha. Quem ficou a perder, foi Pedro, que num ato egoísta, quase tinha conseguido trocar a felicidade da sua filha pelo seu bem-estar.

Assim, a figura de Longuinhos também vive na estátua de S. Longuinho, e simboliza o altruísmo e o triunfo, contra tudo e contra todos, do Amor verdadeiro.

Durante a festa de São João, muitas raparigas “namoradeiras” andam à volta de uma estátua de S. Longuinho, no Bom Jesus, ao mesmo tempo que proferem determinadas orações com o objetivo simples de apressarem o seu casamento.

we-braga-bom-jesus-estatua-sao-longuinho

1.2. A Estátua

No cimo do Bom Jesus, encontra-se a estátua de S. Longuinho, datada do ano de 1819. Esta estátua equestre, em pedra de granito sobre um pedestal, do escultor Pedro José Luís, é única em Portugal e muito rara no mundo.

Por isso, acreditando ou não em lendas e histórias antigas, se quer tanto casar já sabe: dê umas “voltinhas” na estátua do Longuinhos.

we-braga-bom-jesus-estatua-sao-longuinho

3.    O Abade de Priscos tem a sua história

Segundo reza a lenda, o Abade de Priscos – ou Manuel Joaquim Machado Rebelo de seu nome –  era conhecido na freguesia de Santiago de Priscos pelos seus grandes dotes no que diz respeito a engomar roupa, costurar e bordar.

Porém, o que o tornou verdadeiramente famoso, foi o seu dote culinário, tendo sido considerado um dos maiores cozinheiros do século XIX. Esta distinção deve-se ao particularmente à sua obra culinária mais famosa: o Pudim Abade de Priscos, ainda hoje peça integrante da maior parte dos cardápios dos restaurantes Minhotos.

Foram diversos os acontecimentos que contam como o Abade transformava, através de uma perícia e perfeição inigualável, as suas refeições em pura magia. Caracterizadas como uma explosão de sabores, diziam-se ser resultado da panóplia de temperos que acompanhavam o Abade na sua “maleta” secreta.

Exemplo disso, foi o episódio vivido a 3 de outubro de 1887. Nessa data, o Abade de Priscos foi convidado para preparar o banquete real, na Póvoa de Varzim, para receber a visita de El-Rei D. Luís e e a sua família. O desempenho do Abade foi tão excecional que o Rei mandou chamá-lo para o conhecer e saber qual a composição daquele prato delicioso e único.

O Abade, com uma resposta inesperada, sorriu e afirmou “Era palha, real Senhor!”.

Isto desencadeou o espanto de todos os presentes e a pergunta incrédula do Rei: “Palha? Então dá palha ao seu Rei?”.

Mais uma vez, de forma misteriosa, o Abade esclareceu: “Majestade, todos comem palha, a questão é saber dá-la…”.

we-braga-restaurante-bem-me-quer-pudim-abade-priscos

Conclusão

Braga é uma cidade muita antiga e muitas mais estórias haverá. Chamamos-lhes estórias porque, em rigor, alguns pormenores poderão estar distorcidos, fruto da transmissão oral e escrita, muitas vezes, pouco rigorosa. Contudo, não é esse o verdadeiro intuito da transmissão destas estórias pois, mais do que exercícios de rigor, são manifestações culturais que refletem o património imaterial de uma população.

E isso, é aquilo que pretendemos celebrar.

we-braga-centro-cidade

Para quem visita pela primeira vez a cidade, não deixe de passar por estes locais e provar o pudim. Temos a certeza que sairá mais rico culturalmente e, quem sabe, com um casamento ao virar da esquina.

 

 

Comentários

Escrito por
Outras publicações de renatavidrago

As celebrações de Natal em Braga começam no Bananeiro

Em Braga as celebrações de Natal começam com bananas e vinho moscatel....
Ler mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *