Cinema em Casa em Tempos de Confinamento (28 de abril a 3 de maio)

Taxi Driver Cinema em Casa

Quarentena é,  na sua etimologia, o espaço de tempo durante o qual os viajantes procedentes de países em que há doenças contagiosas ou suspeita de tais doenças, tinham que se conservar incomunicáveis a bordo do respectivo navio ou num lazareto que era, por sua vez um hospital de leprosos ou o edifício para fazer quarentena.

As artes visuais estiveram como que “quarentenadas”  historicamente no conceito da estética platónica de mimésis, na representação do universo perceptível. A história das artes,  que nos revela o evoluir das diferentes expressões artísticas, desde as pinturas rupestres legadas pelo homem pré histórico até às contemporâneas abordagens conceptuais que exploram o questionamento da própria Arte, move-se numa constante busca da estética e valores antropocêntricos que ciclicamente se alterna com a exploração dos universos metafísicos, sem nunca  cortar radicalmente com o conceito de mimésis até ao advento da fotografia em 1826 pela mão de Joseph Nicephore Niepce.

Niepce ao registar a boulevard visível da janela da sua habitação, criou com base em estudos e experiências anteriores, a tecnologia de captura e reprodução exactas do real. Deste modo, a pintura e demais expressões artísticas, viram as suas produções cair numa competição ardilosa que nunca poderiam vencer em relação à fotografia se o grande valor que retiramos da experiência estética se confina na melhor imitação possível do mundo sensível.

Os pintores expressionistas na França do final do século XIX, período denominado de Belle Époque, insatisfeitos com os temas e regras rígidas da Academia começaram por patentear em tela, não a realidade mas as impressões do real numa clara fuga em direcção à abstração, algo que à época ainda não poderiam perceber mas cujas produções e crescente popularidade cresceram com enorme força e velocidade pelo mundo, impelidas pelas vanguardas dos finais do séc. XIX e primeira metade do século XX.

O cinema como técnica principiou em 1895 na França em registo documental, ou seja, assente na mimésis, trazido à vida pelos irmãos Lumière com a realização do breve filme “A Saída da Fábrica Lumière em Lyon”. Um ano mais tarde, Aurélio da Paz dos Reis, que havia adquirido um cinematógrafo aos irmãos Lumière, filma no Porto a primeira obra portuguesa de imagem em movimento “A saída do pessoal operária da Fábrica Confiança” cujas primeiras exibições se realizariam no Porto e em Braga no Teatro São Geraldo onde hoje se localiza o Banco Portugal.

Também com brevidade, os primeiros criadores de cinema sentiram esgotar no registo puramente documental o potencial de significação. No dealbar no século XX, o cineasta e ilusionista George Méliès, muito inspirado pelo universo e técnicas próprias do Teatro, operou no cinema uma fuga para a dimensão da ficção exterior ao real. O que abriu novos mundos à Sétima Arte que, ainda limitada pelo filme mudo e a preto e branco,  viria a ser dotada de cor, som e de técnicas mais recentes como a imagem gerada por computador e a imagem tridimensional.

Proponho com base nesta reflexão e sem descurar todas as dificuldades que encerra a Quarentena, que a encaremos como um acontecimento que nos impele à adaptação, à criação, a novas maneiras de entender o mundo e de agir sobre ele, a partir da Arte e, no caso especifico do cinema, a como se passa da mera representação para a intenção transformadora.

Sugiro o visionamento dos filmes que elenco  sublinhando que procurei incluir obras de tipologias várias,  disponibilizadas por diversas plataformas e canais.


28 abril, terça-feira

O Aviador (The Aviator – 2004)

O Aviador Cinema em Casa

Uma cinebiografia que descreve os primeiros anos da carreira do lendário realizador e aviador Howard Hughes, desde o final da década de 1920 até meados da década de 1940.

Realização: Martin Scorsese
Elenco: Leonardo DiCaprio, Cate Blanchett, Kate Beckinsale e John C. Reilly
Duração: 2h50m
Onde ver: AXN às 14h04

Viagem à Lua (Le Voyage dans la Lune – 1902)

Viagem à Lua

Um grupo de homens viaja à Lua, transportados por uma cápsula lançada por um canhão gigante mas acabam sendo capturados por homens-lua.

Realização: George Meliès
Elenco: Victor André, Bleuette Bernon e Georges Méliès
Duração: 15m35s
Onde ver: https://www.youtube.com/watch?v=ZNAHcMMOHE8


29 abril, quarta-feira

Taxi Driver (1976)

Taxi Driver Cinema em Casa

O motorista de táxi de Nova Iorque, Travis Bickle, reflete constantemente sobre a corrupção da vida ao seu redor e sente-se cada vez mais perturbado com a própria solidão e alienação. Em praticamente todas as fases de sua vida, Bickle permanece isolado e não consegue fazer contacto emocional com ninguém. Incapaz de dormir noite após noite, o motorista frequenta os estabelecimentos de pornografia locais em busca de diversão.

Realização: Martin Scorsese
Elenco:  Robert De Niro, Jodie Foster e Cybill Shepherd
Duração: 1h54m
Onde ver: AXN Black às 14h20

Vem e Vê (Idi i Smotri -1985)

Vem e Vê

Depois de encontrar uma velha carabina, um rapaz junta-se ao movimento de resistência soviético contra as implacáveis forças alemãs e sofre os horrores da Segunda Guerra Mundial.

Realização: Elem Klimov
Elenco:  Aleksey Kravchenko, Olga Mironova e Liubomiras Laucevicius
Duração: 2h22m
Onde ver: https://youtu.be/NJYOg4ORc1w (Legendas em inglês)


30 de abril, quinta-feira

O Primeiro Encontro (Arrival – 2016)

O Primeiro Encontro Cinema em Casa

Uma linguista trabalha com o exército por forma a comunicar com formas de vida alienígenas, depois de doze naves misteriosas aparecerem ao redor do mundo.

Realização: Denis Villeneuve
Elenco: Amy Adams, Jeremy Renner e Forest Whitaker
Duração: 2h01m
Onde ver: Hollywood às 19h30

Viagem Através do Impossível (Voyage à travers l’impossible – 1904)

Viagem Através do Impossível

Recorrendo a todos os meios de transporte conhecidos, vários sábios da Sociedade Geográfica empreendem uma viagem dos Alpes ao Sol, que termina no fundo do mar.

Realização: Georges Méliès
Duraçao: 19m58s
Onde ver: https://archive.org/details/The_Impossible_Voyage


1 Maio, sexta-feira

Namoro à Espanhola (Ocho Apellidos Vascos – 2014)

Namora à Espanhola Cinema em Casa

Rafael, um sevilhano que nunca deixou a Andaluzia, decide deixar sua terra natal para seguir Amaia, uma rapariga basca diferente das outras mulheres que conheceu.

Realização: Emilio Martínez Lázaro
Elenco: Clara Lago, Dani Rovira, Carmen Machi e Karra Elejalde
Duração: 1h38m
Onde ver: Fox Movies às 15h14

A Greve (Stachka – 1925)

A Greve

Um grupo de operários oprimidos entra em greve na Rússia pré-revolucionária.

Realização: Sergei Eisenstein
Elenco: Grigoriy Aleksandrov, Maksim Shtraukh, Mikhail Gomorov
Duração: 1h28m
Onde ver: https://youtu.be/VD40vLjRaNA


2 de maio, sábado

O Sacrifício de Um Cervo Sagrado (The Killing of a Sacred Deer – 2017)

O Sacrifício de Um Cervo Sagrado Cinema em Casa

Steven, um cirurgião carismático, é forçado a fazer um sacrifício impensável depois da sua vida se começar a desmoronar quando o comportamento de um adolescente, que ele tomou sob seu cuidado, se torna sinistro.

Realização: Yorgos Lanthimos
Elenco: Colin Farrel, Nicole Kidman e Barry Keoghan
Duração: 2h01m
Onde ver: Netflix

Stalker (1979)

Stalker

Três viajantes do futuro atravessam uma zona proibida e encontram um lugar onde as fantasias são realizadas e a verdade é revelada.

Realização: Andrei Tarkovsky
Elenco: Alisa Freyndlikh, Aleksandr Kaydanovskiy e Anatoliy Solonitsyn
Duração: 2h42m
Onde ver: https://youtu.be/TGRDYpCmMcM (Legendas em inglês)


3 de maio, domingo

Expresso do Amanhã (Snowpiercer – 2013)

Expresso do Amanhã Cinema em Casa

Os únicos sobreviventes de uma fracassada tentativa de conter o aquecimento global são obrigados a viver num comboio separados em vagões que determinam sua condição social.

Realização: Bong Joon Ho
Elenco: Chris Evans, Jamie Bell, Tilda Swinton e John Hurt
Duração: 2h06m
Onde ver: Netflix

Glas (1958)

Glas

Glas é uma curta-metragem holandêsa de 1958 do diretor e produtor Bert Haanstra. O filme ganhou o Oscar de Documentário Curto em 1959 e fala-nos sobre a indústria do vidro na Holanda. Contrasta o cristal artesanal da Royal Leerdam Glass Factory com as máquinas automáticas de fabricação de garrafas. Segmentos curtos de artesãos que produzem à mão vários produtos de vidro são unidos aos de produção em massa.

Realização: Bert Haanstra
Duração: 10m30s
Onde ver: https://youtu.be/d3QEpQ9ozVU


Gosta de cinema e está sempre à procura de novos filmes, séries e documentários? Criei um grupo de discussão no Facebook para aficionados como eu, o Cinema Sapatilha. Clique aqui para seguir


 

Comentários

Escrito por
Outras publicações de Pedro Alpoim

Cinema em Casa em tempos de confinamento (22 a 26 de abril)

O desafio que vivemos devido à pandemia Covid-19 remeteu-nos ao cárcere doméstico,...
Ler mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.