Dez anos de gnration para celebrar este sábado

A entrada é livre. Este ano, o aguardado gnration open day apresenta um programa com concertos, instalações, visitas orientadas e atividades para os mais novos.

A atingir um número redondo em 2023, a celebração é ainda mais especial. O décimo aniversário contou com um programa para todo o mês de abril, que se encerra com o já habitual gnration open day – dia aberto de acesso gratuito.

Depois de um mês inteiro com programação especial e espetáculos esgotados de Lucrecia Dalt, Dave Douglas & Joey Baron, Tim Hecker e Diogo Tudela & Supernova Ensemble, as celebrações de dez anos do gnration encerram este sábado com o já habitual gnration open day, um dia completo que apresenta um programa gratuito composto por concertos, instalações, atividades de serviço educativo e visitas orientadas. No programa musical, Panda Bear & Sonic Boom, projeto colaborativo entre Noah Lennox, de Animal Collective, e Pete Kember, fundador de Spectrum e conhecido pelo seu trabalho como Sonic Boom, dão a conhecer o disco de estreia, Reset. No mesmo programa constam também concertos de Bandua, projeto que reinventa e reinterpreta o cancioneiro popular da Beira Baixa através da música eletrónica; com selo Nyege Nyege Tapes, editora seminal oriunda da Campala, no Uganda: Arsenal Mikebe, trio de percussão que funde ritmos pesados com vozes, transe e música experimental, e De Schuurman, figura central do bubbling de Roterdão, que apresentará um DJ set; Serge Fritz, alter ego de Sérgio Freitas, músico de Braga e integrante da banda Sensible Soccers, apresenta o disco de estreia a solo, Gândulo; Inês Malheiro, artista de Braga que usa a voz como instrumento e matéria prima para desenvolver narrativas sonoras, apresentará o disco de estreia Deusa Náusea; no encerramento do gnration open day, Candy Diaz, nome de culto do underground nacional, apresentará um DJ set recheado de pérolas dançáveis de várias eras e lugares. O programa de música conta ainda com um espetáculo de comunidade dirigido pela música e investigadora turca Ece Canli e que reúne em palco a Orquestra de Dispositivos Eletrónicos, projeto do Circuito – Serviço Educativo Braga Media Arts, e alunos do Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Durante o dia estará também disponível uma estação experimental da Escola de Desenho Inconvencional, pensada para os mais novos, e um conjunto de visitas orientadas ao programa expositivo do gnration, que neste dia inaugura “Cascade”, uma nova exposição do artista espanhol Marc Vilanova, desenvolvida em residência artística no gnration no âmbito da rede EMAP – European Media Art Plataform. Já a galeria gnration terá patente o novo trabalho dos artistas portugueses Mariana Vilanova e Marcelo Reis, que apresentam a instalação “Análise de um Paraíso Fugaz”, desenvolvida em contexto de residência artística no INL – Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia no âmbito do programa Scale Travels.

Programa

Música
16:00 Inês Malheiro · sala multiusos
17:00 Circuito apresenta: ode ao gnration! — Orquestra de Dispositivos Eletrónicos + Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de braga · palco praça
18:00 Serge Fritz · blackbox
22:00 Bandua · palco praça
23:00 Arsenal Mikebe · blackbox
00:00 Panda Bear & Sonic Boom · palco praça
01:00 De Schuurman · blackbox
01:00 Candy Diaz · sala multiusos

Exposição
10:00 – 01:00  Análise de um Paraíso Fugaz, por Mariana Vilanova + Marcelo Reis · galeria inl
10:00 – 01:00  Cascade, por Marc Vilanova · galeria gnration

Serviço Educativo
10:00 + 14:00  Estação de experimentação: escola de desenho inconvencional · pátio interior
10:00 + 11:00 + 12:00  Visita orientada às exposições · galeria inl e galeria gnration

Uma década e 300 mil pessoas depois, o gnration tornou-se numa referência para o território e país.

Nasceu como projeto no contexto da Braga 2012 – Capital Europeia da Juventude, abriu portas um ano mais tarde, em 2013, e pouco depois tornou-se no epicentro da cultura contemporânea em Braga. Situado na Praça Conde de Agrolongo, antigo Campo da Vinha, o edifício redesenhado pelo arquiteto Carvalho Araújo foi Prémio Nacional de Reabilitação Urbana em 2014. A partir da regeneração de um edifício centenário, que até então funcionava como quartel da Guarda Nacional Republicana, ergueu-se um espaço de criação, performance e exposição, com foco nos domínios da música contemporânea e da relação entre arte e tecnologia. No mesmo edifício, multidisciplinar, habita ainda o hub de inovação Startup Braga, a Braga Media Arts, estrutura de ação de Braga enquanto Cidade Criativa da UNESCO para as Media Arts, a equipa de missão para a Capital Portuguesa da Cultura, que decorrerá em Braga em 2025, a Rádio Universitária do Minho (RUM), que dispõe de um café-concerto, e a Loja da Juventude, um gabinete de apoio a projetos jovens protagonizado pelo Município de Braga.

O espaço, atualmente gerido pela empresa municipal Teatro Circo de Braga, que tem a seu a cargo também a gestão da sala de espetáculo Theatro Circo, tem direção artística a cargo de Luís Fernandes desde 2014. Ao longo de uma década, através de uma estratégia sustentada e de permanente abertura à comunidade, o gnration afirmou-se como um polo aglutinador de dinâmicas culturais e criativas, assumindo-se como um espaço orientado para a sensibilização e formação de novos públicos, expondo-os a práticas artísticas relevantes à luz de uma perspetiva contemporânea e cosmopolita. Com o trabalho desenvolvido na ligação da arte com a tecnologia, catalisou a candidatura da cidade a Cidade Criativa da UNESCO na área das Media Arts, título que detém desde 2017. Em 2021, o gnration integrou com distinção a primeira fase de selecionados da Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses (RTCP) e, já este ano, a Rede Portuguesa de Arte Contemporânea (RPAC), ambas estruturas geridas pela Direção-Geral das Artes. Desde o ano passado é também parte da European Media Art Platform (EMAP), uma rede onde se encontram as mais prestigiadas instituições europeias que realizam trabalho no domínio das Media Arts, e a EU Digital Deal, focada na discussão sobre arte, tecnologia e democracia, sendo a única estrutura nacional presente em cada uma das redes. Ainda na sua implementação internacional, foi um dos parceiros na European Network for Contemporary Audiovisual Creation (ENCAC), projeto de cooperação para o apoio e disseminação das artes visuais, criação sonora e cultura digital, financiado pelo programa Europa Criativa da União Europeia. Dentro de portas, tem vindo a alavancar coproduções, ações de circulação e outras parcerias com salas como a Culturgest, Casa da Música, Centro Cultural Vila Flor, Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Auditório de Música de Espinho, Teatro das Figuras, Teatro Viriato, TBA, MAAT ou Galeria Zé dos Bois, bem como com os festivais Semibreve, Madeira Dig e Tremor, entre outros.

Entre as várias parcerias do espaço destaca-se ainda a que leva a cabo desde 2016 com o Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), centro de investigação hispano-luso sediado em Braga e que dedica à pesquisa científica nas várias aplicações da nanotecnologia. Em conjunto com o INL, ergue Scale Travels, um programa de residências que alia arte e nanotecnologia, fomentando a criação artística na relação entre arte, tecnologia e ciência, aproximando artistas e investigadores. O resultado do programa é apresentado em contexto expositivo na galeria INL, situada no gnration, e uma das duas galerias existentes no espaço. Artistas internacionalmente reputados como o japonês Ryoichi Kurawaka, o holandês Tarik Barri, colaborador da banda Radiohead, ou a artista alemã AGF, e ainda os portugueses Salomé Lamas, Pedro Tudela ou Pedro Rebelo, entre muitos outros, constam na lista com mais de duas dezenas de nomes que criaram novos trabalhos ao abrigo do Scale Travels.

Concertos, instalações, conversas ou workshops são algumas das diversas atividades que espelham um programação artístico de perfil performativo, expositivo e educativo, apresentado por artistas, nacionais e estrangeiros, reconhecidos ou em início de carreira. Desde julho de 2014, o gnration deu a conhecer um programa cultural regular, de periodicidade trimestral, com cerca de 400 concertos, mais de uma centena de exposições e uma outra que se reparte entre propostas na área da dança, cinema e pensamento, juntando-lhe ainda uma extensão do programa artístico pensado para o universo online. Na formação, através de um programa serviço educativo que hoje é desenvolvido pelo Circuito – Serviço Educativo da Braga Media Arts, realizou mais de duas centenas de propostas, entre workshops, masterclasses ou espetáculos de comunidade, idealizados para públicos de diferentes idades e para a comunidade escolar da cidade. Com o objetivo de exponenciar a criação artística, promoveu cerca de centena e meia de residências artísticas e comissariou 166 novos trabalhos, 81 dos quais a artistas locais, propiciando condições para o desenvolvimento artístico do território.

Desde 2014, o gnration recebeu cerca 300 mil pessoas que presenciaram o seu programa cultural, números em crescendo desde o seu início que atingiram um recorde de 65 359 espectadores em 2019. Em 2022, e após dois anos de restrições impostas pelo período pandémico, o gnration registou um total de 44 129 espectadores, número que se aproxima dos registos pré-pandemia e que se prevê ultrapassar em 2023. Como resultado da sua adaptação às limitações presenciais da COVID-19 nos espaços culturais, apostou nos conteúdos online, ação da qual originou um programa artístico pensado para as plataformas digitais que, em 2022, registou mais de 44 mil visualizações, o dobro do número alcançado em 2021. Em 2020, ano de início da primeira implementação de um programa online, mais de 8 mil pessoas viram os diversos conteúdos que vão desde espetáculos filmados, conversas, documentários ou peças de arte digital ou sonora.

Para marcar a efeméride dos dez anos, o gnration irá lançar uma publicação que sintetizará o percurso do seu programa artístico. A data de saída está apontada para o último trimestre de 2023, incluindo ainda parte da programação deste ano.

Comentários

More from We Braga
O que fazer no Dia da Mãe?
A cidade de Braga, com os seus 2000 anos de história, está...
Read More
Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.